AIoT Brasil BRASIL INTELIGÊNCIA ARTIFICIALE INTERNET DAS COISAS BRASIL

Fechar
A A

Tamanho fonte

Por redação AIoT Brasil

No Japão, a queda na taxa de natalidade vem preocupando as autoridades, principalmente depois que, em 2019, registrou-se uma redução de 5,8% no número de nascimentos no país, o pior índice em todos os tempos. Para complicar, houve queda também no número de casamentos e um aumento na idade das pessoas que se casam. Em busca de saídas, o governo teve uma ideia original: usar a inteligência artificial como uma espécie de cupido.

A novidade, anunciada pelo jornal Yomiuri Shimbun, logo repercutiu no mundo, e a Reuters informou que o governo japonês planeja gastar em recursos de inteligência artificial a maior parte dos 2 bilhões de ienes (quase 20 milhões de dólares) destinados a combater a diminuição da taxa de natalidade.

Com 128 milhões de habitantes, o Japão tem uma das expectativas de vida mais altas do mundo, de 84,1 anos, o que, somado à queda no número de nascimentos, resulta no envelhecimento da população e em problemas como o declínio da força de trabalho e o aumento dos custos da seguridade social. Esse quadro justifica a preocupação do governo, que investe no estímulo à natalidade, que envolve, obrigatoriamente, a formação de casais.

No país é comum a prática de recorrer a agências de casamento, mas parece que não estão dando conta do recado. Assim, em um país com um nível tão alto de avanços tecnológicos, nada mais natural do que a utilização da inteligência artificial para aumentar o movimento nas maternidades. A intenção é conectar pessoas com perfil e interesses correspondentes, mesmo que os parceiros não tenham renda e idade semelhantes, que são os principais critérios adotados pelos casamenteiros tradicionais.

De acordo com o jornal, várias prefeituras japonesas já utilizam sistemas que levam em conta os hobbies e os valores das pessoas, mas o processo é mais complicado e mais caro. A cidade de Saitama, a norte de Tóquio, gastou 15 milhões de ienes em 2019 para unir parceiros, mas esse esforço resultou em apenas 21 casamentos.

O governo então decidiu que é preciso investir mais, e o caminho mais adequado é a inteligência artificial. De acordo com o Yomiuri Shimbun, os recursos para aplicação nessa tecnologia serão distribuídos entre as prefeituras, e uma autoridade explicou: “Estamos apenas desembolsando dinheiro para lutar contra a queda da taxa de natalidade, e cabe aos governos locais decidir como gastá-lo”.

Mais populares

02/06/2022

Inteligência artificial detecta fake news na internet

Leia mais
13/01/2021

Testamos os recursos tecnológicos do VW Nivus

Leia mais
20/01/2022

Os principais ataques cibernéticos no Brasil em 2021

Leia mais
23/06/2022

FEA/USP promove conferência de ciência e negócios

Leia mais
27/08/2021

Automação doméstica deve crescer 30% no Brasil

Leia mais
break

Notícias Relacionadas