AIoT Brasil BRASIL INTELIGÊNCIA ARTIFICIALE INTERNET DAS COISAS BRASIL

Fechar
A A

Tamanho fonte

Por redação AIoT Brasil

Wace é analista de sell side e aconselha os vendedores de títulos, Eddie é um scalper e cuida de arbitragens estatísticas em negociações de commodities, moedas e valores mobiliários, enquanto Joel estuda balanços das empresas para formar uma carteira de ações lucrativa. Esse trio movimenta altos valores e faz parte do time da Quantamental, gestora de investimentos que agora apoia a Itaú Asset Management, responsável por fundos que somam aproximadamente R$ 760 bilhões. Com um detalhe: Wace, Eddie e Joel são robôs.

Além desses três, a equipe conta com Leda, Ada, Kelly, Ray, Pete, Boaz e Jack, desenvolvidos pela Quantamental com base em algoritmos de inteligência artificial, aprendizado de máquina e modelos matemáticos. Todos têm um avatar, um perfil próprio e uma especialidade e, em conjunto, apoiam os analistas humanos na identificação das melhores oportunidades de investimento.

A parceria foi anunciada em abril, quando a poderosa gestora do Itaú Unibanco passou a utilizar os bots em suas ofertas de fundos da gestão Multimesas. Não se trata propriamente de uma novidade, e sim da confirmação da tendência de usar IA no mercado financeiro que, no Brasil, vem se consolidando a passos lentos nos últimos anos. A própria Quantamental já fornece seu modelo de computação avançada a plataformas como BTG, XP, Órama e Easynvest. O que chamou atenção no mercado é que, no Itaú Asset, os robôs vão ajudar a gerir recursos acima de R$ 59 bilhões.

Carlos Augusto Salamonde, CEO da Itaú Assest, disse que a estratégia inovadora da Quantamental complementa o trabalho da gestora e diversifica o risco dos investimentos. Ele explicou que as máquinas não vão fazer tudo sozinhas, mas apoiarão os especialistas que tomam as decisões, com base na capacidade de analisar matematicamente um volume bem maior de dados do mercado.

O modelo é inspirado em um padrão que começou a ser desenvolvido nos Estados Unidos na década de 1970, a partir das ideias do matemático Edward Thorp, que foi professor do MIT e dirigiu o fundo Princeton Newport Partners. Thorp ficou famoso ao escrever o best-seller Beat the Dealer, em que provou ser possível contar cartas e aplicar as probabilidades matemáticas para ganhar no blackjack, ou vinte-um-um, um dos jogos mais populares nos cassinos de todo o mundo. O nome do robô Eddie, agora “contratado” pela Itaú Asset, é uma homenagem da Quantamental a Edward Thorp.

Avatares de Wace, Eddie e Joel, três dos bots especialistas em investimento/Reprodução Quantamental

Mais populares

02/06/2022

Inteligência artificial detecta fake news na internet

Leia mais
27/08/2021

Automação doméstica deve crescer 30% no Brasil

Leia mais
13/01/2021

Testamos os recursos tecnológicos do VW Nivus

Leia mais
28/06/2022

Que tal pagar o cafezinho com criptomoeda?

Leia mais
27/06/2022

Como os brasileiros veem as tecnologias wearable

Leia mais
break

Notícias Relacionadas