AIoT Brasil BRASIL INTELIGÊNCIA ARTIFICIALE INTERNET DAS COISAS BRASIL

Fechar
A A

Tamanho fonte

Por redação AIoT Brasil

Um estudo feito pela startup de educação Tera, em parceria com a plataforma Mindminers, mapeou as tendências para cinco das carreiras de tecnologia com maior potencial de expansão no mercado, das quais quatro foram apontadas como em alta demanda até 2025 pelo World Economic Forum. O resultado confirma vários outros levantamentos que indicam boas perspectivas de trabalho para profissionais que atuam nas áreas de desenvolvimento de software, data science, product management, UX design e marketing digital.

Leandro Herrera, fundador e CEO da Tera, disse que o primeiro passo para quem quer seguir uma dessas carreiras é entender como levar para a área a bagagem de conhecimento que já adquiriu: “É preciso fazer uma autoavaliação do seu perfil profissional para entender em qual delas o que você já sabe pode ser usado. Perceber o contexto em que empresas digitais estão inseridas, apostar em skills transversais e desenvolver um mindset de adaptabilidade e desenvolvimento também são ações importantes para ter sucesso em seu objetivo”.

Um dos destaques na pesquisa foram os profissionais de dados, que estudam a coleta, o processamento, o tratamento, a análise, a modelagem e a visualização de dados. Das pessoas que trabalham na área e responderam a pesquisa, 59% disseram que não começaram a carreira em funções ligadas a dados. Entre os cargos mais frequentes na amostra estavam os de analista de dados (29%), inteligência de mercado (10%) e cientista de dados (7%), além de engenheiro de machine learning, arquiteto de dados, engenheiro de dados, especialista em MLOps (operações de machine learning), especialista em inteligência artificial e analista de business intelligence.

De acordo com os profissionais, a carreira exige, principalmente, habilidades técnicas para análise de negócios (12%), análise exploratória de dados (11%) e métricas e KPIs (10%). Mentalidade orientada para dados foi a soft skill com maior destaque (19%), seguida de resolução de problemas complexos (17%) e comunicação (16%). A maior parte dos profissionais revelou que ganha salários mensais entre R$ 6,6 mil e R$ 10 mil (36%), enquanto os profissionais de nível executivo disseram receber mais de R$ 16,5 mil.

Product manager designa o profissional responsável por definir diretrizes e acompanhar o cumprimento delas no processo de desenvolvimento de produtos, com ênfase em design, tecnologia e business. Sete de cada dez profissionais de produtos digitais não começaram a carreira em funções relacionadas à área e 68% usaram bootcamps para chegar ao cargo atual. As funções mais frequentes são product manager e product owner, seguindo-se como carreiras possíveis data product manager, group product manager, product marketing manager e product lead.

Segundo os profissionais, as habilidades mais importantes são análise de dados e métricas (63%), priorização de entregas e atividades (54%) e capacidade de escalar produtos e processos (46%). Em relação às soft skills, eles destacaram comunicação (18%), tolerância ao stress e flexibilidade (13%) e liderança e influência (13%). De acordo com o estudo, product management é uma das carreiras com salários mais altos, em que mais de 50% dos profissionais disseram que ganham mais de R$ 10 mil por mês.

Desenvolvimento de software, por sua vez, é o processo de produção de um sistema tecnológico, que compreende a concepção de um produto e trata da forma como as fases são organizadas e do que deve ser feito para padronizar a criação e permitir que empresas e equipes criem aplicações em escala. Três de cada quatro participantes (76%) da pesquisa começaram a carreira em funções relacionadas, e as habilidades técnicas mais utilizadas são lógica de programação (64%), padrões de projeto (34%) e compreensão de diferentes paradigmas e tipos de linguagem de programação (34%). Mais da metade dos profissionais da área ganha acima de R$10 mil e 67% dos que estão em nível executivo têm rendimento acima de R$16,5 mil.

A função de UX designer se refere aos responsáveis pelo desenho da experiência dos usuários, o que não se restringe a produtos digitais. Entre as carreiras possíveis também estão UX writing, UI design, visual design, UX/UI, service design, UX research e product design, e 65% dos entrevistados apontaram a pesquisa com usuários como a habilidade técnica mais importante. Mesmo em níveis intermediários, profissionais de algumas carreiras digitais alcançam faixas salariais acima da média do mercado tradicional, e 64% dos UX designers ganham acima de R$ 6,6 mil. Em nível sênior, mais de 50% têm salários superiores a R$16,5 mil.

Por último, a pesquisa entrevistou profissionais de marketing digital, que precisam dominar ferramentas e canais e desenvolver estratégias como inbound, SEO, customer experience, marketing de conteúdo e growth. Segundo o estudo, 55% disseram ter começado a carreira já na área, e as especialidades mais mencionadas foram redes sociais (37%), produção de conteúdo (32%) e campanhas (22%). Mais de 40% destacaram a mensuração e a análise de resultados como a principal habilidade necessária, sendo também citadas competências como análise de negócios e cenários competitivos (29%) e conhecimento de diferentes canais (29%). Em relação às soft skills, se destacaram criatividade, originalidade e iniciativa (19%), seguidas de comunicação (16%) e mentalidade orientada para dados (14%).

A pesquisa e o mapa das habilidades para carreiras digitais da Tera podem ser acessados aqui.

Mais populares

02/06/2022

Inteligência artificial detecta fake news na internet

Leia mais
13/01/2021

Testamos os recursos tecnológicos do VW Nivus

Leia mais
20/01/2022

Os principais ataques cibernéticos no Brasil em 2021

Leia mais
23/06/2022

FEA/USP promove conferência de ciência e negócios

Leia mais
27/08/2021

Automação doméstica deve crescer 30% no Brasil

Leia mais
break

Notícias Relacionadas