AIoT Brasil BRASIL INTELIGÊNCIA ARTIFICIALE INTERNET DAS COISAS BRASIL

Fechar
A A

Tamanho fonte

* Foto: O navio japonês Iris Leader, que fez o primeiro teste mundial de navegação autônoma/Reprodução NYK Line

Por redação AIoT Brasil

Com o aval de universidades, institutos de pesquisa e do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação, foi lançado em dezembro o Cluster Brasileiro de Inteligência Artificial para Navios, uma iniciativa que, embora ainda esteja em estágio embrionário, tem uma meta ambiciosa: levar o país à corrida mundial para a produção de embarcações autônomas. Trata-se de um mercado inovador, que incorpora recursos de alta tecnologia e dá os primeiros passos para o que pode ser o futuro do setor naval.

Há pouco mais de um ano foi anunciado o primeiro teste real de uma embarcação autônoma, proeza que coube ao grupo japonês Nippon Yusen Kaisha (NYK Lines), que conduziu o navio de transporte de veículos Iris Leader em uma viagem de Xinsha, na China, até o porto de Nagoya, no Japão, em setembro de 2019. A companhia disse ter seguido as diretrizes da Organização Marítima Internacional para navios autônomos, usando o sistema de navegação Sherpa System for Real Ship (SSR). “Durante o teste, o desempenho do SSR em condições reais do mar foi monitorado e coletou informações sobre as condições ambientais a partir dos dispositivos que calcularam os riscos de colisão e determinaram automaticamente a rota e a velocidade ideal”, informou a NYK na época.

No lançamento do cluster brasileiro, o professor Jean-David Caprace, coordenador do Programa de Engenharia Oceânica da Universidade Federal do Rio de Janeiro, mostrou projetos em desenvolvimento no Brasil, como o Unmanned Surface Vehicle, relacionado a embarcações de superfície autônomas de pequeno porte, e o Autonomus Underwater Vehicle, de submarinos não tripulados para o setor de exploração de óleo e gás.

Fábio Zabot Holthausen, presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação de Santa Catarina, disse que seu estado pode dar uma grande contribuição ao cluster, pois oferece um ambiente favorável ao desenvolvimento de inteligência artificial e internet das coisas. “Temos uma excelente densidade de startups, fizemos importantes investimentos na criação de centros de inovação e conseguimos formar profissionais de excelência em nossas universidades”, explicou.

O ministro de Ciência, Tecnologia e Inovação, Marcos Pontes, disse que o futuro está ligado à inteligência artificial e garantiu a parceria de sua pasta na criação do novo cluster, além de financiamento a projetos de inovação. Ele também destacou a importância do Projeto de Lei Complementar 135/2020, que veda o contingenciamento de recursos para a área de ciência e tecnologia e aguarda de sanção do governo.

O Cluster Brasileiro de Inteligência Artificial para Navios será uma plataforma que reunirá entidades, empresas, academia, pesquisadores, cientistas e órgãos públicos, a fim de acelerar a produção de tecnologias para o setor naval e facilitar parcerias. O grupo também discutirá as diretrizes para a criação e a implantação de um modelo de regulamentação de navegação autônoma no país, como o que foi elaborado pela Organização Marítima Internacional.

Mais populares

02/06/2022

Inteligência artificial detecta fake news na internet

Leia mais
27/08/2021

Automação doméstica deve crescer 30% no Brasil

Leia mais
13/01/2021

Testamos os recursos tecnológicos do VW Nivus

Leia mais
28/06/2022

Que tal pagar o cafezinho com criptomoeda?

Leia mais
27/06/2022

Como os brasileiros veem as tecnologias wearable

Leia mais
break

Notícias Relacionadas