AIoT Brasil BRASIL INTELIGÊNCIA ARTIFICIALE INTERNET DAS COISAS BRASIL

Fechar
A A

Tamanho fonte

Por redação AIoT Brasil

O item 14 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU destaca a necessidade de proteger os oceanos e os recursos marinhos. Algumas de suas metas, que deveriam ter sido cumpridas até 2020, ainda estão longe de se concretizarem, e segundo a própria ONU, a cada ano os oceanos recebem cerca de 8 milhões de toneladas de plástico, que equivalem a um caminhão de lixo jogado no mar a cada minuto e ameaçam mais de 800 espécies marinhas.

Mantém-se, no entanto, o esforço global para o cumprimento da primeira meta dos Objetivos de, até 2025, “prevenir e reduzir significativamente a poluição marinha de todos os tipos, especialmente a advinda de atividades terrestres, incluindo detritos marinhos e a poluição por nutrientes”. Uma das armas mais poderosas para vencer esse desafio é a tecnologia, com ênfase em inteligência artificial.

Algumas empresas do setor se incorporaram ao trabalho do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), entre as quais a IBM, que convocou cientistas e tecnólogos de inteligência artificial para criar um projeto-piloto que permitirá o estabelecimento de uma linha de base para medição e monitoramento do lixo marinho. “O protótipo aplica as ferramentas do IBM Cloud Pak for Data para organizar e analisar dados de fontes distintas e não padronizadas”, explica o engenheiro Fábio Marras, diretor de Tecnologia da IBM Brasil.

Os usuários poderão interagir com uma plataforma digital por meio de um avatar de animação autônoma, com aparência humana e chamado de Sam, desenvolvido pela Soul Machines. A interface também usa o IBM Watson Assistant e o Watson Discovery para interpretar a intenção de um usuário e recuperar informações relevantes do vasto acervo do programa ambiental da ONU e de outras fontes.

Sam, o assistente digital especialista em lixo marinho/Divulgação IBM/Soul Machines

E ideia é concentrar na plataforma todos os dados relacionados à poluição marinha e estimular a consulta dos interessados por meio do avatar – você pergunta e Sam responde. Emocionalmente responsivo, o avatar pretende criar no usuário um vínculo emocional com a poluição marinha e suas consequências, levando-o a algum tipo de participação e envolvimento.

A IBM apresentou o protótipo durante o fórum de consultas dos principais grupos interessados do PNUMA, em junho, em mais uma etapa de preparação da Assembleia Ambiental da ONU programada para o próximo ano.

Mais populares

02/06/2022

Inteligência artificial detecta fake news na internet

Leia mais
27/08/2021

Automação doméstica deve crescer 30% no Brasil

Leia mais
13/01/2021

Testamos os recursos tecnológicos do VW Nivus

Leia mais
28/06/2022

Que tal pagar o cafezinho com criptomoeda?

Leia mais
27/06/2022

Como os brasileiros veem as tecnologias wearable

Leia mais
break

Notícias Relacionadas