AIoT Brasil BRASIL INTELIGÊNCIA ARTIFICIALE INTERNET DAS COISAS

Fechar
#Tecnologia#Agronegócio#E-Commerce#Cases#CasaConectada#Aplicativos#Automóveis#Entretenimento#Saúde#Indústria#Segurança#Vídeos#Wearable#Reviews#Opinião#5G#Telefonia#IA#Games#Privacidade#Educação#Startup#Robótica#IoT#Esporte#Smartphones#SmartCities#Finanças#Meioambiente
A A

Tamanho fonte

Foto: Imagens registradas em dezembro em São Carlos: as faixas coloridas detectam o nível do rio a partir de linhas de referência/Divulgação CeMEAI

Por redação AIoT Brasil

Pesquisadores do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) estão desenvolvendo uma tecnologia que irá monitorar o nível dos cursos de água em áreas urbanas e emitir alertas aos órgãos de defesa civil e à população, a fim de reduzir os prejuízos das inundações. Os testes já foram iniciados em São Carlos (SP), onde fica o Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, que abriga o CeMEAI, um dos institutos de pesquisa e inovação financiados pela Fapesp.

Coordenado pelo professor Jó Ueyama, do ICMC, o projeto aplica tecnologias como sensores, algoritmos de inteligência artificial e internet das coisas para coletar imagens dos rios e, automaticamente, avaliar os riscos de enchentes. Quando o nível da água chega a um ponto pré-determinado é emitido um alerta. “Já temos condições de enviar à Defesa Civil de São Carlos o aviso para que, em um tempo máximo de 10 minutos, providências sejam tomadas a fim de evacuar a área que sofreria a enchente e preservar vidas”, explica Francisco Erivaldo Fernandes Júnior, um dos responsáveis pelo trabalho.

O sistema recebeu o nome de e-NOE e é abastecido com imagens captadas de cinco em cinco minutos nos pontos mais críticos dos rios. Essas fotos são enviadas para um servidor na nuvem, ao mesmo tempo em que a superfície do rio é monitorada a partir de uma imagem de entrada, com a ajuda de uma rede neural profunda. A intenção agora, segundo o CeMEAI, é criar um aplicativo que emitirá os alertas também para a população e, na etapa seguinte, estender o serviço a outras cidades além de São Carlos – a tecnologia já está sendo utilizada também pela prefeitura de Rio do Sul (SC).

Segundo o professor Ueyama, a tecnologia foi registrada no INPI e está à disposição de prefeituras e órgãos interessados em utilizá-la. Ele também destacou a aplicação de IA e IoT no sistema: “Diferentemente da hidrometria convencional, em que os dados só são coletados quando o usuário vai até a estação para extraí-los, com IoT as informações são transmitidas em tempo real para os interessados. O próprio sistema pode emitir automaticamente alertas de enchentes em tempo real usando a tecnologia de comunicação sem fio”, explica.

O e-NOE usa visão computacional para analisar as imagens coletadas pelas câmeras e recorre a uma escala de cores que servem de referência para medir o nível do rio. “Uma das vantagens é que o sistema dispensa a utilização de sensores de pressão e vazão. O preço e a manutenção são muito mais baixos do que outros métodos e dá mais tempo para que a população se proteja das enchentes”, acrescenta Fernandes Júnior.

Mais populares

07/04/2021

9 de abril: um dia dedicado à internet das coisas

Leia mais
05/04/2021

Cresce o número de ataques a e-mails baseados em nuvem

Leia mais
08/04/2021

A hora do "tudo como serviço"

Leia mais
08/04/2021

Conheça as principais tendências para data & analytics

Leia mais
06/04/2021

Furukawa lança sistema de IoT que monitora redes ópticas

Leia mais
break

Comentários

Notícias Relacionadas